Ciranda de Gaia é uma jornada de reconhecimento da pluraridade feminina. Um espaço de partilha na intimidade do mundo subjetivo da mulher. Um processo de psicoterapia de grupo criado e conduzida há nove anos por Andréa Sumé e Janete Áurea Duprat.

A narrativa da Ciranda de Gaia acompanha o crescimento e o desenvolvimento pessoal de cada mulher, elaborando um diálogo coletivo através das ritualisticas e vivências propostas durante todo o trabalho.

Uma trajetória que brota no nascimento, percorrendo os campos da infância e a cura das feridas da criança interior. Os padrões sistêmicos familiares, pai, mãe e avós, as fases da adolescência e maturidade, o feminino e o masculino dentro de nós, a natureza intuitiva e os ritos xamânicos que envolvem a ancestralidade feminina. A alquimia da Deusa Tríplice, a psique e o corpo, a dança e o canto que tocam fundo o útero da alma.

O arquétipo da Mulher Selvagem vem uivar do inconsciente feminino pedindo por resgate e reparação. Resgatar a Mulher Selvagem é recuperar a mulher que não foi domesticada e que não se tornou submissa aos padrões sócio culturais vigentes, que não se esqueceu de sua natureza cíclica e dos saberes passados de geração para geração. Essa mulher está conectada com seu desejo, seus potências e sua sexualidade. Dissolveu o nó da culpa e agora busca novas formas de enfrentar seus medos e avançar em sua jornada.

Integrar todas as faces do feminino em nós é a própria experiência do Sagrado. Não é místico nem fantasioso. É real, orgânico e natural.

Você está sendo convidada a expandir a visão sobre si mesma, compreender melhor sua própria história e viver de forma mais integrada e harmoniosa seus relacionamentos.

Facilitadoras: Andréa Sumé e Janete Áurea
Perfil das terapeutas pelo Instagram @andreasume @janeteaurea

Local: Na Mata Atlântica, entre montanhas e rios cristalinos, no Espaço de vivência Monte Crista, Garuva/SC

Número máximo de 25 participantes.
Inscrições pelo whatsapp (41) 9286 7813 com Cida

Uma parceria construída ao longo dos anos


Nós somos mulheres, respiramos a força do ventre e temos a honra de sustentar o fio da Grande Mãe.
Por algum motivo nossas mães, avós e tias nos transferiram o legado da Terra: sustentabilidade emocional, fartura de recursos e uma incrível disposição em visitar as profundezas.
Fêmeas. Ferozes. Transgressoras.

Assim construímos nosso elo com base na amizade sincera e numa irmandade que abraça e acolhe as diferenças.

São 21 anos de histórias, intimidades e inspirações onde aterramos a potência de sonharmos juntas e realizar.
Parteiras de um novo tempo, gestamos o encanto de nossas intenções e tecemos o círculo sagrado.
Ciranda de Gaia nasceu, cresceu e nos devolveu a matriz selvagem das sendas do feminino.
Seguimos honrando as origens do nosso campo arquetípico.

×